Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog de J. Cura

Blog pessoal sobre filatelia e outros colecionismos

Blog de J. Cura

Blog pessoal sobre filatelia e outros colecionismos

Inteiros postais da Rússia - Pioneiros da Computação

2 inteiros postais novos da Rússia de 2018, com 2 pioneiros da Computação: Vladimir Melnikov e Bashir Rameev.

ip_russia_2018_melnikov.jpg

Vladimir Andreevich Melnikov nasceu a  18 de agosto de 1928 na vila de Venyukovo, perto de Moscovo. Em 1951 formou-se no Instituto de Engenharia de Energia de Moscovo - MPEI. Membro da Academia Russa de Ciências, Vladimir Melnikov foi discípulo do cientista russo  Sergei Lebedev, fundador da ciência da computação nacional, o criador dos primeiros computadores soviéticos. Desde 1950, sendo ainda aluno, trabalhou no Academic Institute of Precise Mechanics and Computer Engineering (IPMCE), onde participou do desenvolvimento do primeiro computador eletrónico soviético - BESM (computadores de alta velocidade), tendo-se tornado chefe executivo da equipa. Mais tarde, esse computador foi replicado na China. Um papel significativo na vida de Melnikov foi desempenhado pela criação do computador transístor BESM-6, no qual ele trabalhou como chefe executivo. Em 1967, esse computador foi colocado em produção e foi produzido por 17 anos. Em 1969, Melnikov iniciou o projeto e desenvolvimento de um sistema de computação - BESM-6 (HI-6). Em 1975, durante o voo espacial soviético-americano 'Soyuz-Apollo' a operação foi realizada no sistema, construído com base em HI-6 e BESM-6, que também fornecia um processamento altamente automatizado de dados balísticos e telemétricos no Centro de Controlo da Missão Soviética. A partir de 1978, Melnikov começou a desenvolver um novo supercomputador, que tinha o nome de 'Electronics SS BIS' , o seu último grande projeto e era semelhante  ao supercomputador americano Cray 1. Faleceu em maio de 1993.

ip_russia_2018_rameev.jpg

Bashir Iskandarovich Rameev nasceu a 1 de maio de 1918 e faleceu a 16 de maio de 1994, foi um inventor e cientista soviético, um dos fundadores da computação soviética, autor de 23 patentes, incluindo a primeira patente no campo de computadores eletrónicos oficialmente registada na URSS - uma patente para a Máquina Eletrónica Digital Automática (1948).

As invenções de Rameev abriram caminho para o desenvolvimento de um novo campo da ciência soviética - a computação eletrónica - e para a formação de um novo ramo da indústria que a apoiasse. As ideias centrais incorporadas na invenção de Rameev do computador eletrónico incluíam: armazenamento de programas na memória do computador, uso de código binário, utilização de dispositivos externos e implantação de circuitos eletrónicos e díodos semicondutores. A primeira publicação sobre tecnologia semelhante fora da URSS apareceu em 1949-1950. Rameev também sugeriu que os dados de computação intermediários fossem impressos automaticamente em fita perfurada e enviados para o dispositivo aritmético do computador para processamento subsequente, o que significa que o processamento dos comandos seria realizado no dispositivo aritmético do computador; isso geralmente é referido como a arquitetura de Von Neumann.

De particular interesse é a invenção de Rameev de circuitos de controlo de matriz de díodo, que foram usados ​​para construir sua primeira ideia, o primeiro mainframe soviético fabricado em série "Strela" (1954).  Na década de 1950, os circuitos de controle díodo-matriz não eram muito difundidos devido às suas dimensões significativas e alto consumo de energia. Porém, com o subsequente desenvolvimento da microeletrónica e o surgimento de circuitos integrados de grande escala, que possibilitaram implantar dezenas ou centenas de milhares de díodos e transístores n uma única peça de silício, o conceito de circuitos de controlo tornou-se viável e comummente utilizado. Os computadores "Strela" realizavam cálculos em física nuclear, foguetes e pesquisas espaciais. Notavelmente, uma das "Strelas" foi usada para calcular a trajetória da órbita do "Sputnik". Para o desenvolvimento de "Strela", Rameev e sua equipa receberam o Prémio Stalin de 1º grau, que era o maior prémio soviético na época. Entre 1956 e 1969, Rameev projetou e supervisionou o fabrico de 14 computadores diferentes, incluindo: a série de computadores multifuncionais "Ural" e várias máquinas especializadas. A "famosa família de computadores 'Ural' de Rameev existiu mais de 15 anos sendo uma das pedras angulares da futura engenharia da computação russa".

 Adaptado de Wikipedia

Carta inteira da Suiça com publicidade da Verbatim

carta_inteira_suica_verbatin.JPG

Carta inteira de taxa paga da Suiça com publicidade da Verbatim, produtor de CD-ROMs, com marca pré-impressa PP (Postage Paid) 4702 Oensingen sobre o selo. Selo pré-impresso com edíficio da loja na referida cidade de Oensingen e balão de ar-quente com publicidade Schäfer Shop e respetivo url. O grupo SSI SCHAEFER é o maior fornecedor de sistemas de armazenagem e soluções logísticas do mundo oferecendo soluções para armazéns, fábricas, escritórios e oficinas. Marcas/barras de endereçamento no fundo e código de caixa postal (postfach).

Publicidade sobre Computadores década 1960

Publicidade sobre computadores na revista Vida Mundial de 14/11/1969

Presentes: Univac 9400, NCR Century e Friden 5600 (Singer) 

pub_vida_mundial_19691114_30_univac2.jpg

pub_vida_mundial_19691114_41_ncr.jpg

pub_vida_mundial_19691114_54_friden.jpg

Sobre cada um destes modelos marcas, foi possível descobrir um pouco da sua história:

O UNIVAC (UNIVersal Automatic Computer, Computadora Automática Universal) série 9000 (9200, 9300, 9400, 9700) foi criado por Sperry Rand em meados da década de 1960 para concorrer com o IBM série 360.

O NCR Century 100 foi o primeiro computador de circuito integrado da NCR, construído em 1968. Integrava um processador com sistema integrado com memória de 16 ou 32 KB.

Já a Friden era uma empresa de calculadoras, comprada pela Singer em 1964, que produziu alguns modelos de computadores, mas sem grande sucesso.

Carta dos EUA com 10 selos

carta_eua.JPG

Carta circulada do Estados Unidos para a Alemanha com 10 diferentes selos, totalizando um porte de 93 cêntimos, sendo curioso ainda o facto de todos os selos terem valores faciais diferentes. 
Utilização do selo da emissão "Progress in Electronics" com o equipamento "Marconi Spark coil/gap" que corresponde a um emissor de faísca, que produz ondas electromagnéticas de radiofrequência a partir de uma faísca gerada por uma descarga elétrica de alta voltagem, inventado por Guglielmo Marconi

História da Computação Brasileira

carta_brasil_selos_historia_computacao_20181130.JP

Carta circulada de Conceição do Coité, estado da Bahia, Brasil para Vila Seca, Condeixa-a-Nova, Portugal com os 3 selos auto-adesivos da emissão "História da Computação Brasileira", com 1º Porte Carta Não Comercial (os 3).

 

Segundo a pagela/edital, "a emissão é composta por três selos que apresentam uma reprodução frontal dos primeiros estudos e projetos de computadores nacionais: o “Zezinho”, o “Patinho Feio” e o Cobra-530, este o primeiro computador comercial totalmente produzido no Brasil. Para registrar a história, o artista inseriu as datas de finalização dos projetos e matizou cada um deles em tons de azul, verde e amarelo, fazendo referência à bandeira nacional. A ilustração foi realizada no estilo Flat Design e computação gráfica. Na folha de selos consta uma citação de Alan Turing, considerado o Pai da Computação, escrita em código binário ASCII".

 

Pesquisando um pouco, descobre-se sobre cada um dos computadores:

Em 1961, 4 alunos e um professor do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) construiram o “Zezinho”, como trabalho de fim de curso de engenharia eletrónica, com auxílio financeiro do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) de 350 dólares. O painel tinha 2 metros de largura por 1,5m de altura. Foram utilizados cerca de 1500 transístores e díodos de fabrico brasileiro, produzidos por uma subsidiária da Philips (Ibrape), tendo capacidade para fazer 20 operações. Ganhou lugar na história da computação brasileira como o primeiro computador não-comercial transistorizado totalmente nacional. Embora um sucesso, foi desmontado pelos alunos das turmas seguintes...

Foi no Laboratório de Sistemas Digitais da Escola Politécnica da USP (Universidade de São Paulo) em 1972 que foi concebido também como trabalho de fim de curso o "Patinho Feio". É considerado como o primeiro computador, documentado e com estrutura de computação clássica, desenvolvido no Brasil. A memória podia armazenar 4.096 palavras de 8 bits, ou seja, 4K. Tornou-se um marco porque gerou massa crítica para a consolidação da indústria informática no Brasil.

Em 1980 foi lançado no Congresso da SUCESU - Sociedade dos Usuários de Tecnologia, o Cobra 530,  o primeiro computador comercial totalmente projetado e construído no Brasil. A Computadores Brasileiros (COBRA),  era uma empresa estatal que tinha como objetivo transformar o sucessor do Patinho Feio, o G-10 num produto comercial nacional. Os modelos evoluiram até chegar ao mercado o Cobra 530.

Obrigado ao Glauber por fazer circular esta peça.