Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog de J. Cura

Blog pessoal sobre filatelia e outros colecionismos

Blog de J. Cura

Blog pessoal sobre filatelia e outros colecionismos

Inteiro da Croácia com carimbo do Euro 2004

147_001_croatia-zagreb-2004-soccer-football-europe

Inteiro postal da Croácia com carimbo comemorativo do Campeonato da Europa de Futebol - Euro 2004 (Portugal 2004) de Zagreb de 12/06/2004, dia de abertura da fase final do Torneio.

A seleção da Croácia jogou com a Suiça no dia seguinte, 13 de junho, no  Estádio Dr. Magalhães Pessoa em Leiria, tendo sido o resultado um empare a zero.

A Croácia ficou-se pela fase de grupos (grupo B), com 2 pontos, frutos dos empates com Suiça e França (2-2). Jogou ainda com a Inglaterra tendo perdido por 2-4.

La belle Portugaise - Suiça

selo_suica_1982_rosa_la_belle_portugaise.JPG

Eis um belo selo da Suiça, de 1982, de uma série Pro Juventute dedicada a Rosas, com valor facial de 20+10, com a rosa "La belle Portugaise".

Nºs de catálogos: Michel CH 1237; Yvert et Tellier CH 1166; Zumstein CH J282

Os Correios suiços emitiram além dos 4 selos desta emissão (ver abaixo), outros selos com a mesma temática e design em 1972 e 1977 (4 cada).

Segundo o especialista em rosas Miguel Albuquerque, atual presidente do Governo Regional da Madeira e entusiasta das flores e jardins, a rosa "La Belle Portugaise" é «também conhecida por “Bela Portuguesa” ou “Belle of Portugal” foi o primeiro Hibrido de Rosa Gigantea cultivado no Ocidente. Foi criado pelo botânico Francês Henri Cayeux, então responsável pelo Jardim Botânico de Lisboa. François Crépin, em 1896, enviou para Portugal uma planta da “Rosa Gigantea” e quando esta floriu, apresentando belíssimas flores com cerca de 13 cm de diâmetro, Cayeux começou a efectuar hibridizações com roseiras de chá e perpétuas híbridas. A sua ambição era conseguir trepadeiras vigorosas e bonitas que resistissem ao Inverno parisiense. Do seu trabalho meticuloso resultaram cinco roseiras: “Belle Portugaise” e “Étoile de Portugal” em 1903; “Amateur Lopes”, “Lusitânia” e “Palmira Feijas” em 1905. Infelizmente, com excepção da “Belle Portugaise”, todas elas desapareceram.

Não sendo remontante, “Belle Portugaise” é uma das primeiras roseiras do jardim a florir, logo no início da Primavera. As suas flores, excepcionalmente grandes, podem atingir 15 cm de diâmetro, emanam um perfume ligeiro de chá. Os botões carmesin, delgados e elegantes, dão lugar a bonitas flores, cor-de-rosa cremoso. As pétalas exteriores, com um cor-de-rosa franco no reverso, são grandes. As do interior de um rosa ténue, são mais pequenas e concentram-se em torno do coração da flor, mantendo-a ligeiramente fechada, o que produz um efeito muito original. As folhas largas e finas, de um verde-claro, são típicas da “R. Gigantea”. Extremamente vigorosa e resistente, esta trepadeira pode atingir alturas consideráveis, e é hoje uma roseira muito popular em quase todo o mundo, sobretudo no sul da Europa, na Califórnia, na Austrália, na Nova Zelândia e na Índia. Após mais de um século e na chamada “era da globalização” a “Belle Portugaise” continua a ser a única roseira portuguesa, cujo sucesso é indiscutivelmente universal.» in http://madeirarosegarden.blogspot.pt/2011/05/belle-portugaise-roseira-hibrido-de.html
 
Eis os selos da emissãode 1982:

selos_suica_1982_rosas.jpg

 

Marca: Hopital Auxiliaire N° 18 - 1ª Grande Guerra

964_003.jpg

964_002.jpg

 

Postal circulado em França, para Albé, na Alsácia, isento de franquia, em 1915, marca de saída de 18/06/1915 de St. Mandé, região de Île de France (zona metropolitana de Paris), durante o período da 1ª Guerra Mundial, com marca postal batida a vermelho do Hopital Auxiliaire N° 18  St. Mandé - Gouvernement Militaire de Paris. 

Estes hospitais eram temporários, funcionando em edíficios livres ou disponibilizados para o serviço em zonas fora da linha da frente e duraram durante a guerra e após. Dependiam diretamente do "Service de Santé Militaire" (SSM). No caso específico, seria um hospital "Auxiliaire" por ser gerido pelas Filhas da Caridades. Existem, para os hospitais temporários, os "Hôpitaux Complémentaires" (HC), quando eram geridos diretamente pelo SSM; "Hôpitaux Auxiliaires" (HA) geridos por sociedades de assistência e "Hôpitaux Bénévoles" (HB) quando geridos por particulares, associações, comunidades e coletividades locais.

964_001.jpg Detalhe da marca postal do Hospital

 

Tenho várias marcas deste tipo, normalmente batidas a vermelho, de variados hospitais ligados à obras de São Vicente de Paulo.