Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog de J. Cura

Blog pessoal sobre filatelia e outros colecionismos

Blog de J. Cura

Blog pessoal sobre filatelia e outros colecionismos

Cartas inteiras repicadas do município do Crato

carta_inteira_cazul_mun_crato.JPG
3 diferentes cartas inteiras repicadas de correio azul do município do Crato, circuladas em 2017 e 2018.

Em 2014 tinha aqui apresentado várias Cartas inteiras de correio azul repicadas de temática Municipalismo e mais recentemente do município de Cantanhede e de Elvas.

O Crato é uma vila no distrito de Portalegre, região do Alentejo, com cerca de 3 700 habitantes e 398 km² de área.

Cartas inteiras do município de Elvas

carta_inteira_cverm_mun_elvas_reg.JPGCarta inteira repicada de correio registado (vermelho) a 08/01/2015, com complemento de Aviso de receção na etiqueta Nave (€0,60)

carta_inteira_cazul_mun_elvas.JPG
carta_inteira_cazul_mun_elvas (2).JPG

5 cartas inteiras repicadas de correio azul,  do município de Elvas circuladas em 2016 e 2017

carta_inteira_cazul_mun_elvas_2.JPG
Cartas inteiras repicadas de correio azul, tamanho C5, do município de Elvas circuladas em 2016.

Em 2014 tinha aqui apresentado várias Cartas inteiras de correio azul repicadas de temática Municipalismo e em 2020 do município de Cantanhede.

Elvas é uma cidade raiana do distrito de Portalegre, na região do Alentejo com cerca de 631 km² de área e 20 700 habitantes.

Edis de Portugal 14 - Rui Teles Palhinha

O Professor Doutor Rui Teles Palhinha (ou Ruy Telles Palhinha) nasceu em Angra do Heroísmo a 4 de janeiro de 1871 e faleceu em Lisboa a 13 de novembro de 1957 tendo sido um destacado botânico e professor universitário. A ele se deve a exploração sistemática da flora açoriana. Foi diretor do Jardim Botânico de Lisboa e da Faculdade de Farmácia de Lisboa. Formou-se em Filosofia Natural pela Universidade de Coimbra em 1893.

Teve ativa participação cívica e política, tendo sido presidente da Câmara Municipal de Santarém de 1889 a 1900. Em 1916, foi eleito vereador da Câmara Municipal de Lisboa, exercendo o cargo até 1918.

selo_pt_2021_farmacias_rui_teles_palhinha.JPG

 

Postal: Abílio Roque

postal_cbr_toponimia_abilio_roque (1).JPGpostal_cbr_toponimia_abilio_roque (2).JPG

Postal da coleção: A República na toponímia de Coimbra, 2010. De uma coleção de 30 postais com personalidades ou datas relacionas com a implantação da República nos nomes das ruas da cidade de Coimbra.

Abílio Roque de Sá Barreto nasceu no Rabaçal (atualmente pertencendo a Penela, mas na época concelho em nome próprio) a 13 de janeiro de 1817. Era grande proprietário na região de Condeixa. Desde cedo afirmou o seu credo liberal, lutando contra Costa Cabral nos conflitos da Patuleia.

Pertenceu também à Carbonária Lusitana, de cuja Alta Venda (orgão máximo) fez parte em 1848. Fez ainda parte das seguintes lojas maçónicas de Coimbra: Philadelphia (Grande Oriente Lusitano); Federação, loja nº 5; e Perseverança, loja nº 74. Foi chefe supremo da Carbonária em 1863. Em 1875, fundou a Maçonaria Eclética Portuguesa, onde desempenhou o cargo de Grão-Mestre.

Integrou a Junta Geral do Distrito de Coimbra e presidiu ao Centro Eleitoral Republicano Democrático de Coimbra, tendo sido um dos fundadores. Foi ainda vereador da Câmara Coimbra.

Faleceu em Condeixa-a-Nova a 29 de maio de 1898.

Fonte da biografia: http://arepublicano.blogspot.com/

 

Inteiro postal tipo "Lusíadas" circulado de Lisboa para Ancião

ip_flam_coloque_selos_lx_19350315_procuradoria_mun

ip_flam_coloque_selos_lx_19350315_procuradoria_mun

Inteiro postal circulado de Lisboa para Ancião (Ansião) em março de 1935 da Procuradoria Geral dos Municípios para o Chefe da Secretaria da Câmara Municipal.

Flâmula nº 6c "Colocar os selos no angulo superior direito da frente" de Lisboa Central, 2ª secção.
Inteiro postal tipo "Lusíadas" OM80, de 25c, porte para bilhetes postais simples da época (entre 1924 e 1941 e de acordo com Decreto n.º 9424)

A Procuradoria Geral dos Municípios foi uma empresa fundada em 1930 por Jayme d’Almeida Coutinho, que prestava serviços e vendia material para os municípios do interior. Hoje em dia, chama-se "Imprensa Municipalista", devido ao seu nome original poder ser confundido com alguma entidade "oficial". A sua designação foi alterada na década de 1940?.

 

Edis de Portugal 13 - Gonçalo Ribeiro Telles

Gonçalo Ribeiro Telles, arquiteto paisagista, ecologista e político português, nasceu e faleceu em Lisboa. Nasceu a 25 de maio de 1922.

Foi Subsecretário de Estado do Ambiente nos primeiros Governos Provisórios pós 25 de abril. Foi ainda Ministro de Estado e da Qualidade de Vida do VII Governo Constitucional de 1981 a 1983.

Teve grande influência na criação da Reserva Agrícola Nacional, da Reserva Ecológica Nacional e nas bases do Plano Diretor Municipal de Lisboa.

Foi funcionário da Câmara Municipal de Lisboa desde 1951. Mais tarde (1985) foi vereador do mesmo município.

selo_pt_2014_arquitetura_goncalo_ribeiro_telles.JP

 

Postal: Pelourinho de Castelo Rodrigo

postal_castelo_rodrigo_pelourinho_manuelino (1).JP

postal_castelo_rodrigo_pelourinho_manuelino (2).JP

Postal: Pelourinho manuelino de Castelo Rodrigo. Edição: Âncora. Supercor 3384

"Pelourinho quinhentista, de gaiola octogonal, com soco circular de três degraus, fuste octogonal, com secçãoquadrangular na base, encimado por capitel, onde assenta a gaiola, sustentada por oito colunelos. O soco conjuga degraus quadrangulares e poligonais, possuindo remate sustentado por colunelos torsos e canelados. Capitel de secção circular e gaiola, como remate decorativo, de chapéu cónico." Fonte: SIPA

 

Postal: Jardim Municipal e Paço Episcopal de Castelo Branco

postal_Castelo_branco_jardim_municipal_paco_episco

postal_Castelo_branco_jardim_municipal_paco_episco

Postal do Jardim Municipal e Paço Episcopal de Castelo Branco. Ed. Portugal Turístico nº 267/Pr. Usado em 1970.

O Jardim de S. João Baptista - de estilo Barroco - fazia parte de uma vasta e complexa unidade agrária, paisagística e estética que costumava designar-se por "logradouros do Paço Episcopal de Castelo Branco".

No séc. XVIII, esta unidade era composta por dois olivais, uma vinha, a coelheira (para fins exclusivamente alimentares/gastronómicos), o bosque, as hortas ajardinadas e o jardim propriamente dito - sendo que todo este complexo circundava - e protegia - a residência do bispo.

O Paço serviu de residência permanente a vários bispos da Guarda e, a partir de 1771 até 1831, aos da recém criada Diocese de Castelo Branco. A partir de 1834 foram instalados vários serviços públicos no Paço e os logradouros conheceram então um abandono sem precedentes. Em 1911, como consequência da Lei da Separação do Estado da Igreja, o Jardim do Paço passa para a tutela da Câmara Municipal, por arrendamento.

No ano seguinte, para comemorar o segundo aniversário da Implantação da República, abre as suas portas ao público no dia 5 de Outubro. Finalmente, em 1919 é comprado e passa a jardim municipal.

O Jardim do Paço Episcopal (ou de S. João Baptista) foi mandado construir pelo bispo da Guarda, D. João de Mendonça, cerca de 1720.

in www.cm-castelobranco.pt