Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog de J. Cura

Blog pessoal sobre filatelia e outros colecionismos

Blog de J. Cura

Blog pessoal sobre filatelia e outros colecionismos

Edis de Portugal 13 - Gonçalo Ribeiro Telles

Gonçalo Ribeiro Telles, arquiteto paisagista, ecologista e político português, nasceu e faleceu em Lisboa. Nasceu a 25 de maio de 1922.

Foi Subsecretário de Estado do Ambiente nos primeiros Governos Provisórios pós 25 de abril. Foi ainda Ministro de Estado e da Qualidade de Vida do VII Governo Constitucional de 1981 a 1983.

Teve grande influência na criação da Reserva Agrícola Nacional, da Reserva Ecológica Nacional e nas bases do Plano Diretor Municipal de Lisboa.

Foi funcionário da Câmara Municipal de Lisboa desde 1951. Mais tarde (1985) foi vereador do mesmo município.

selo_pt_2014_arquitetura_goncalo_ribeiro_telles.JP

 

Retrato de Vitorino Nemésio, por António Dacosta

Obra intitulada "V.N." (Retrato de Vitorino Nemésio) de 1966 é um guache sobre papel, com as medidas: 62,7 x 44,2 cm de autoria de António Dacosta.

Esta obra pertence ao Museu de Angra do Heroísmo (coleção de Belas-Artes).

museu_angra_vitorino_nemesio_2012-10-27 17.22.14.jfoto do autor no Museu. 2012

António Dacosta nasceu em Angra do Heroísmo, ilha Terceira, em 1914. Mudou-se para Lisboa em 1935, onde estudou Belas-Artes. Estudou arte também em Paris, cidade onde se instalou definitivamente no ano de 1947. Faleceu na capital francesa em 2 de dezembro de 1990. A sua pintura insere-se no movimento surrealista.

Essa atividade de pintura é marcada por dois momentos separados por um interregno de 26 anos, em que simplesmente suspende a atividade artística para se dedicar à crítica de arte, que faz em jornais e revistas a partir de Paris.

Sobre o retrato, o autor referiu: “De vez em quando pintava. Pintei por exemplo o retrato do Vitorino Nemésio quando nos encontrámos os dois, de férias, nos Açores, há já alguns anos. Sim, eu de vez em quando pegava no pincel, assim, a título nenhum. A renúncia não implica a incapacidade de fazer."

Foi considerado «pintor europeu das ilhas», como o descreveu Nemésio.

Já a poesia representava para o artista um complemento da pintura, utilizando-a como catalisador do processo criativo de pintar. Destruiu, por este motivo, grande parte dos poemas que escreveu. Os que restaram foram publicados, postumamente, em «A Cal dos Muros», em 1994.

Os CTT colocaram em circulação a 3 de setembro de 1999 a emissão: “Pintura Contemporânea dos Açores” com 4 quadros de autoria dos artistas Domingos Rebelo, António Dacosta, José Van Der Hagen e Duarte Maia, com 4 diferentes valores faciais, impressão a off-set pela Litografia Maia, sobre papel esmalte.

Do selo de 95$00 / € 0,47 foram impressos meio milhão de exemplares.

selo_pt_1999_pintura_acores_vitorino_nemesio.jpg

 

 

Edis de Portugal 12 - Abílio Marçal

Abílio Marçal nasceu a 3 de junho de 1867 em Cernache do Bonjardim, Sertã. Concluiu o curso de Direito na Universidade de Coimbra, em 1892 e foi naquela cidade que tomou contacto com a política. Fundou o jornal “Echo da Beira” em 1896. Foi nomeado administrador do concelho da Sertã em 1904 e novamente em 1913. Teve um grande envolvimento na causa republicana.

Foi ainda Presidente da Câmara da Sertã, eleito em novembro de 1917, Presidente da Comissão Auxiliar da Câmara Municipal da Sertã constituída para reconstruir o edifício da Câmara Municipal, que tinha sido destruído por um incêndio, vogal executivo da Comissão Executiva da Câmara da Sertã (vereador), nos mandatos de 1919-20 e 1921-22. Com o fim do Sidonismo, é eleito, em setembro de 1919, Presidente da Comissão Executiva Municipal da Sertã, cargo que desempenhou até 29 de dezembro de 1922.
Faleceu em 23 de junho de 1925.

cc_20130610_cernache_bonjardim_abilio_marcal.JPG

CC de 10/06/2013 - Missões Laicas 1913-2013 Dr. Abílio Marçal, Cernache do Bonjardim. Nº cat.: 4316

Edis de Portugal 11 - José Dias Sena

José Dias Sena, nasceu em Santa Maria, concelho de Estremoz, a 17 de março de 1953.
Licenciado em Economia pela Universidade de Évora, foi professor secundário e mais tarde docente na Universidade de Évora. Publicou diversos trabalhos na área da Economia. Entre 1982 e 1993 assumiu a direcção do jornal Brados do Alentejo e foi membro da Assembleia Municipal de Estremoz. Foi ainda vogal suplente do Conselho Directivo da Associação Nacional de Municípios Portugueses.
Entre 3 de janeiro e 9 de junho de 1994 desempenhou as funções de Presidente da Câmara Municipal de Estremoz. Faleceu em Lisboa a 9 de junho desse ano.

cc_19950525_estremoz_dias_sena.JPG

 

Edis de Portugal 10 - José Saramago

De origem camponesa, José Saramago nasceu na Aldeia de Azinhaga, Ribatejo, a 16 de novembro de 1922. Fez estudos secundários, interrompidos por dificuldades de ordem económica. Trabalhou em diversas profissões (serralheiro mecânico, desenhador, funcionário de Saúde e de Previdência Social, tradutor, editor e jornalista), tendo publicado o seu primeiro livro – “Terra do Pecado” em 1947. A partir de 1976 passou a viver exclusivamente do seu trabalho literário, escrevendo diversos romances de qualidade reconhecida, pelos quais lhe foi atribuído o Prémio Nobel da Literatura em 1998.

bloco_1998_saramago.png

 

Durante o ano de 1990, José Saramago foi presidente da Assembleia Municipal de Lisboa (AML), quando Jorge Sampaio foi presidente da Câmara de Lisboa, numa coligação entre PCP e PS. O mandato durou pouco mais do que um mês, tendo-se demitido em março daquele ano.

"Saramago estava empenhado na contestação que era então feita à orientação política imprimida ao PCP pela direcção dos comunistas portugueses. Face ao clima de críticas e acusações mútuas entre contestatários e direcção, Saramago bateu com a porta."

cc_19990423_barroselas_saramago_honoris_causa.JPG

 

Edis de Portugal 5 - Manuel Carrilho

Manuel Augusto Engrácia Carrilho nasceu no Sabugal em setembro de 1916, licenciou-se em Lisboa, em Agronomia.
Exerceu várias funções públicas, entre elas a de Delegado da Junta de Colonização Interna em Coimbra, deputado entre 1961 e 1965, Governador Civil de Viseu, Presidente da Comissão da Região Centro (em Coimbra) de 1971 a 1975 e Provedor da Santa Casa da Misericórdia.
Foi eleito, por um mandato, para a presidência da Câmara Municipal de Viseu, em 1985.
Refira-se ainda que o autarca era pai do antigo Ministro da Cultura, Manuel Maria Carrilho.

cc_1997092_viseu_manuel_carrilho.jpg

Fragmento com Carimbo comemorativo” Homenagem de Viseu ao Engº Manuel Carrilho, de 21/09/1997 de Viseu. Nº cat.: 3115

 

Edis de Portugal 2 - Manuel de Arriaga

Nascido na Horta, ilha do Faial, Manuel de Arriaga, licenciou-se em Direito na Universidade de Coimbra, tendo-se distinguido como advogado e político, com fortes convicções republicanas, mas também como escritor.

Foi ainda vereador republicano da Câmara Municipal de Lisboa, eleito a 13 de dezembro de 1885.

Em 1910 foi nomeado Magnífico Reitor da Universidade de Coimbra, com Sidónio Pais como Vice-Reitor. Quase na mesma altura, foi nomeado para as funções de Procurador-Geral.

Foi o primeiro Presidente da República Portuguesa, eleito por proposta de António José de Almeida, recolhendo 121 votos em 217, mantendo-se em funções de agosto de 1911 até maio de 1915. Faleceu, quase 2 anos depois, em março de 1917.

ip_cc_20100317_horta_manuelarriaga.jpg

Inteiro postal comemorativo do Centenário da República com  Manuel de Arriaga, à esquerda e selo representando o busto da República, com porte Taxa Paga, válido para Portugal, circulado da Horta para Condeixa, com carimbo comemorativo de 17/03/2010 e marca de dia da Horta. Nº cat. IP:373. Nº Cat. CC: 4074

 

4000.jpg4083.jpg

2 dos carimbos comemorativos dedicados a Manuel de Arriaga, da Horta. Nº cat.: 4000 e 4083

 

 

 Texto inicialmente publicado no artigo "Ilustres edis de Portugal" na revista Cábula Filatélica nº 27, abril de 2014