Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog de J. Cura

Blog pessoal sobre filatelia e outros colecionismos

Blog de J. Cura

Blog pessoal sobre filatelia e outros colecionismos

Postal: Caldas da Rainha - Parque D. Carlos I

postal_pt_caldas_rainha_trecho_parque_frente.jpg

Postal das Caldas da Rainha - Um trecho do Parque D. Carlos I

O Parque D. Carlos I é um jardim romântico do século XIX, no centro histórico da cidade das Caldas da Rainha. O Parque foi criado em 1889, num projeto assinado pelo arquiteto Rodrigo Berquó,  diretor do Hospital Termal Rainha D. Leonor, e posteriormente remodelado em 1948, por Francisco Caldeira Cabral. Funcionava como complemento ao Hospital Termal.

Postal: Pelourinho de Castelo Rodrigo

postal_castelo_rodrigo_pelourinho_manuelino (1).JP

postal_castelo_rodrigo_pelourinho_manuelino (2).JP

Postal: Pelourinho manuelino de Castelo Rodrigo. Edição: Âncora. Supercor 3384

"Pelourinho quinhentista, de gaiola octogonal, com soco circular de três degraus, fuste octogonal, com secçãoquadrangular na base, encimado por capitel, onde assenta a gaiola, sustentada por oito colunelos. O soco conjuga degraus quadrangulares e poligonais, possuindo remate sustentado por colunelos torsos e canelados. Capitel de secção circular e gaiola, como remate decorativo, de chapéu cónico." Fonte: SIPA

 

Postal: Jardim Municipal e Paço Episcopal de Castelo Branco

postal_Castelo_branco_jardim_municipal_paco_episco

postal_Castelo_branco_jardim_municipal_paco_episco

Postal do Jardim Municipal e Paço Episcopal de Castelo Branco. Ed. Portugal Turístico nº 267/Pr. Usado em 1970.

O Jardim de S. João Baptista - de estilo Barroco - fazia parte de uma vasta e complexa unidade agrária, paisagística e estética que costumava designar-se por "logradouros do Paço Episcopal de Castelo Branco".

No séc. XVIII, esta unidade era composta por dois olivais, uma vinha, a coelheira (para fins exclusivamente alimentares/gastronómicos), o bosque, as hortas ajardinadas e o jardim propriamente dito - sendo que todo este complexo circundava - e protegia - a residência do bispo.

O Paço serviu de residência permanente a vários bispos da Guarda e, a partir de 1771 até 1831, aos da recém criada Diocese de Castelo Branco. A partir de 1834 foram instalados vários serviços públicos no Paço e os logradouros conheceram então um abandono sem precedentes. Em 1911, como consequência da Lei da Separação do Estado da Igreja, o Jardim do Paço passa para a tutela da Câmara Municipal, por arrendamento.

No ano seguinte, para comemorar o segundo aniversário da Implantação da República, abre as suas portas ao público no dia 5 de Outubro. Finalmente, em 1919 é comprado e passa a jardim municipal.

O Jardim do Paço Episcopal (ou de S. João Baptista) foi mandado construir pelo bispo da Guarda, D. João de Mendonça, cerca de 1720.

in www.cm-castelobranco.pt

Postal: Sanatório Marítimo de Carcavelos

postal_carcaelos_costa_Sol_sanatorio_maritimo_dr_J

Postal do  Sanatório Marítimo Dr. José de Almeida, em Carcavelos (Costa do Sol). Nº 21. Década de 1950?

"Antigo Forte do Junqueiro, outrora conhecido por Forte de S. Domingos de Rana, foi mandado edificar em 1645 no reinado de D. João IV por ordem do Conde de Cantanhede, D. António Luís de Menezes, então governador de armas de Cascais, durante as guerras da Restauração, com o objetivo de evitar possíveis desembarques das forças espanholas.
Em 1720 ainda estava em bom estado de conservação, mas não tinha guarnição, vindo a ser reativado em 1762/63, aquando da Guerra dos Sete Anos. Todavia, ainda que não tivesse deixado de integrar os planos de defesa de Lisboa até às guerras liberais, perdeu valor estratégico ao longo dos tempos, até à sua desativação como praça militar no ano de 1894.
Em 1897 o edifício foi adaptado para a instalação do Sanatório Marítimo de Carcavelos, mercê da atividade do conselheiro Tomás Ribeiro e do médico Dr. José Joaquim de Almeida que, na sequência de várias obras de beneficiação, seria oficialmente inaugurado em 1902. As obras de adaptação foram financiadas pela benfeitora D. Maria Albina Baracho Encerrabodes, tendo o sanatório começado a funcionar com lotação para 26 crianças do sexo masculino e alargando, mais tarde, a sua atividade, ao tratamento de doentes de ambos os sexos. Em 22 de dezembro de 1921, passou a denominar-se Sanatório Marítimo Dr. José de Almeida.
No início da década de 1970, devido aos progressos da terapêutica e consequente decréscimo da tuberculose óssea, esta unidade de saúde foi progressivamente reconvertida por forma a dar resposta aos doentes de traumatologia e ortopedia, oriundos dos serviços de urgência dos Hospitais Civis de Lisboa. Em 1982 a sua designação é alterada para Hospital Ortopédico Dr. José de Almeida, nome do seu fundador, vindo a ser desativado, em 2010, com a inauguração do Hospital de Cascais, que igualmente receberia o nome deste ilustre médico."

in historypin.org