Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog de J. Cura

Blog pessoal sobre filatelia e outros colecionismos

Blog de J. Cura

Blog pessoal sobre filatelia e outros colecionismos

Bilhete postal: Padre Cruz

bil_postal_padre_cruz (2).JPGbil_postal_padre_cruz (1).JPG

Postal não circulado do Padre Cruz. 1ª metade do séc.XX?

"Francisco Rodrigues da Cruz, quarto filho de Manuel da Cruz e Catarina de Oliveira da Cruz, era natural da vila de Alcochete, onde nasceu a 29 de julho de 1859; concluídos os estudos secundários, seguiu para Coimbra, onde se formou em Teologia na Universidade de Coimbra em 1880, ordenando-se sacerdote em 1882. O Padre Cruz entrou para a Companhia de Jesus a 3 de dezembro de 1940; conhecido popularmente como ‘Santo Padre Cruz’, faleceu a 1 de outubro de 1948, aos 80 anos de idade." in Ecclesia

 

Postal: Abílio Roque

postal_cbr_toponimia_abilio_roque (1).JPGpostal_cbr_toponimia_abilio_roque (2).JPG

Postal da coleção: A República na toponímia de Coimbra, 2010. De uma coleção de 30 postais com personalidades ou datas relacionas com a implantação da República nos nomes das ruas da cidade de Coimbra.

Abílio Roque de Sá Barreto nasceu no Rabaçal (atualmente pertencendo a Penela, mas na época concelho em nome próprio) a 13 de janeiro de 1817. Era grande proprietário na região de Condeixa. Desde cedo afirmou o seu credo liberal, lutando contra Costa Cabral nos conflitos da Patuleia.

Pertenceu também à Carbonária Lusitana, de cuja Alta Venda (orgão máximo) fez parte em 1848. Fez ainda parte das seguintes lojas maçónicas de Coimbra: Philadelphia (Grande Oriente Lusitano); Federação, loja nº 5; e Perseverança, loja nº 74. Foi chefe supremo da Carbonária em 1863. Em 1875, fundou a Maçonaria Eclética Portuguesa, onde desempenhou o cargo de Grão-Mestre.

Integrou a Junta Geral do Distrito de Coimbra e presidiu ao Centro Eleitoral Republicano Democrático de Coimbra, tendo sido um dos fundadores. Foi ainda vereador da Câmara Coimbra.

Faleceu em Condeixa-a-Nova a 29 de maio de 1898.

Fonte da biografia: http://arepublicano.blogspot.com/

 

Postal: Caldas da Rainha - Parque D. Carlos I

postal_pt_caldas_rainha_trecho_parque_frente.jpg

Postal das Caldas da Rainha - Um trecho do Parque D. Carlos I

O Parque D. Carlos I é um jardim romântico do século XIX, no centro histórico da cidade das Caldas da Rainha. O Parque foi criado em 1889, num projeto assinado pelo arquiteto Rodrigo Berquó,  diretor do Hospital Termal Rainha D. Leonor, e posteriormente remodelado em 1948, por Francisco Caldeira Cabral. Funcionava como complemento ao Hospital Termal.

Postal: Pelourinho de Castelo Rodrigo

postal_castelo_rodrigo_pelourinho_manuelino (1).JP

postal_castelo_rodrigo_pelourinho_manuelino (2).JP

Postal: Pelourinho manuelino de Castelo Rodrigo. Edição: Âncora. Supercor 3384

"Pelourinho quinhentista, de gaiola octogonal, com soco circular de três degraus, fuste octogonal, com secçãoquadrangular na base, encimado por capitel, onde assenta a gaiola, sustentada por oito colunelos. O soco conjuga degraus quadrangulares e poligonais, possuindo remate sustentado por colunelos torsos e canelados. Capitel de secção circular e gaiola, como remate decorativo, de chapéu cónico." Fonte: SIPA

 

Postal: Jardim Municipal e Paço Episcopal de Castelo Branco

postal_Castelo_branco_jardim_municipal_paco_episco

postal_Castelo_branco_jardim_municipal_paco_episco

Postal do Jardim Municipal e Paço Episcopal de Castelo Branco. Ed. Portugal Turístico nº 267/Pr. Usado em 1970.

O Jardim de S. João Baptista - de estilo Barroco - fazia parte de uma vasta e complexa unidade agrária, paisagística e estética que costumava designar-se por "logradouros do Paço Episcopal de Castelo Branco".

No séc. XVIII, esta unidade era composta por dois olivais, uma vinha, a coelheira (para fins exclusivamente alimentares/gastronómicos), o bosque, as hortas ajardinadas e o jardim propriamente dito - sendo que todo este complexo circundava - e protegia - a residência do bispo.

O Paço serviu de residência permanente a vários bispos da Guarda e, a partir de 1771 até 1831, aos da recém criada Diocese de Castelo Branco. A partir de 1834 foram instalados vários serviços públicos no Paço e os logradouros conheceram então um abandono sem precedentes. Em 1911, como consequência da Lei da Separação do Estado da Igreja, o Jardim do Paço passa para a tutela da Câmara Municipal, por arrendamento.

No ano seguinte, para comemorar o segundo aniversário da Implantação da República, abre as suas portas ao público no dia 5 de Outubro. Finalmente, em 1919 é comprado e passa a jardim municipal.

O Jardim do Paço Episcopal (ou de S. João Baptista) foi mandado construir pelo bispo da Guarda, D. João de Mendonça, cerca de 1720.

in www.cm-castelobranco.pt